fbpx

Dicionário do corredor: Domine o dialeto

Começar a correr não é apenas fazer uma atividade física, mas também fazer parte de um grupo. E assim como em toda “tribo”, existem termos que fazem sentido apenas para quem faz parte daquele universo, como uma espécie de Dicionário do corredor. Comece a dominar todos os termos e não fique mais confuso ou perdido naquela conversa pré, durante ou pós-treino de corrida.

“Quebrei no treino”, “Vi um monte de pipoca na prova”, “fui Pacer do meu amigo na corrida”. Quem está dando os primeiros passos na corrida, ou já tem certa experiência, com certeza conhece boa parte desses termos. É o que chamamos de dicionário do corredor. Existem quase 7 mil línguas no mundo todo!! Porém, esse número não conta a “língua” do esporte. Pode ser a corrida, basquete, vôlei, futebol… todos tem seu dialeto.

Nessa matéria, mostramos as principais palavras faladas nesse meio, e como elas podem te ajudar a entender melhor o esporte, ou mesmo na melhoria de seu desempenho na corrida.

Por que você deve aprender?

A comunicação leva ao conhecimento e ao entendimento de diversas modalidades. Imagine participar de um jogo de tênis e ouvir que seu amigo tomou um “pneu”, ou que ele perdeu porque “encurtou o braço”. Não saber esses termos comprometerá a interação com seus colegas. O mesmo acontece na corrida. Dominar o dicionário do corredor ajudará você a se comunicar e entender muito mais sobre o universo dos corredores.

Dicionário do corredor: Pace

Sem dúvida a primeira palavra que você deve conhecer quando estiver mais presente no ambiente de corrida. Pace é definido como o tempo que um corredor leva para percorrer um quilômetro descrito em minutos e segundos. É a palavra mais usada em qualquer grupo de corrida.

Uma dica muito importante é entender que usamos o pace como uma espécie de Q.I da corrida, pois ele mostra nosso potencial na modalidade. Geralmente os corredores não mencionam o seu Pace por quilômetro, e sim por distância. Conversas como “meu pace para 10km é 5’30” são comuns e frequentes. Por isso, esse é o termo mais importante do seu dicionário do corredor.

Longão

Se pace é a primeira palavra a ser aprendida, o termo longão (ou longo), é a segunda. Ele se refere a um tipo de treino, geralmente feito no sábado ou domingo, que foca na distância mais longa que o corredor enfrentará na semana.

O longão também costuma ser o treino que mais se aproxima da meta de distância que o corredor busca. É considerado fundamental para alcançar qualquer objetivo, principalmente em quilometragens mais longas, como meia maratona ou maratona.

Por ser focado em distâncias maiores, sua intensidade costuma ser de leve a moderada, a exceção dos corredores mais avançados. Portanto, saber a intensidade correta do seu pace será essencial para que seus treinos sejam melhor realizados.

RP ou Recorde Pessoal

Após correr uma distância pela primeira vez, é natural que o corredor queira melhorar sua velocidade. É nessa hora que entra o RP, ou recorde pessoal. Como o nome já diz, ele destaca o melhor tempo que você correu determinada distância.

Quando pensamos em evolução como corredor, a maioria busca se aperfeiçoar no intuito de quebrar o RP. Exercícios de fortalecimento para corrida, alimentação e treinos intervalado fazem parte da estratégia.

Essa sem dúvida é também uma das palavras mais faladas do dicionário do corredor.

Tempo Run

O tempo run pode ser tratado como um complemento ou uma etapa integral do RP.

Na prática, é o ritmo que você deseja correr uma prova ou treino. Diferente do recorde pessoal, que é definido pela quebra de recorde, no tempo run você tem um Pace específico em mente, com o objetivo de atingí-lo de forma parcial ou integral durante o treino.

Treinos em Tempo run dão confiança e facilitam correções na sua corrida. Isso porque, além de ajudar na descoberta do seu ritmo ideal para uma prova, ele atua como uma espécie de avaliação, acompanhando a evolução de seus tempos em determinadas distâncias.

Corredor Pipoca

Termo cada vez mais conhecido entre participantes de corrida de rua, o pipoca é o corredor que entra de “penetra”numa prova e utiliza a estrutura para fazer seu treino. Em casos mais graves, temos pipocas que pegam medalha e o máximo que puderem conseguir.

Sem dúvida é uma prática condenável, pois independente do uso da via pública, houve a locação da área e se trata de um evento privado. Por isso, nosso conselho é que não apenas conheça o termo, mas evite qualquer tipo de estímulo à prática.

Quebrar na corrida de rua

Termo usado entre corredores mais experientes, é utilizado para citar a quebra do ritmo planejado para uma prova.

Alguns corredores consideram uma quebra apenas em casos onde precisou andar, ou mesmo abandonou a prova, por cansaço ou lesão. Já outros consideram a perda de intensidade e, portanto, uma corrida abaixo do planejado também como uma quebra. Tudo depende de seu perfil e grau de exigência.

Soltura ou trote leve

Como o nome sugere, é um tipo de treino ou estímulo utilizado ao final de treinos mais intensos. O objetivo é fazer o corpo retornar gradualmente aos níveis pré- treino.

Ele também pode ser utilizado como uma sessão de treino completa, após uma semana ou um dia muito desgastante. Esse tipo de treino também é conhecido como regenerativo.

Pacer

Para alguns, é o colega de treino. Para outros, um grupo. Independente da opção, o pacer pode ter um papel fundamental para a melhoria da velocidade.

Por definição, o Pacer é aquele corredor ou grupo que “puxa” você num ritmo acima do que está acostumado, motivando a atingir intensidades mais altas de treinamento. O ponto mais positivo do Pacer é o motivacional. Muitas vezes, ele consegue extrair aquilo que dificilmente você conseguiria sozinho.

Fazer uma fisio

Fala muito comum, principalmente em corredores entre meia maratona e maratona, esse termo faz parte de qualquer dicionário do corredor.

Fazer uma fisio: nada mais é que passar num fisioterapeuta para algum tipo de suporte, seja na redução de dores, assim como na técnica de recuperação ou liberação miofascial. Pouco se fala sobre a fisioterapia como prevenção de lesões na corrida, mas autalmente existem diversas técnicas que tem o foco muito mais preventivo. Ou seja, você não precisa fazer fisio apenas quando está machucado.

A atuação de um núcleo de saúde completo ( fisioterapeuta, nutricionista, médico ) é algo cada vez mais difundido e sem dúvida necessário para extrair o máximo de potencial do corredor.

E você, tem algum outro termo que conheça e que devia estar no dicionário do corredor? Está mais à vontade para usar essa “gíria” com seus parceiros de treino. Deixe aqui seus comentários

Sem comentários

Fazer um comentário